Ciências Básicas

Coluna

Infantil

Joelho

Mão

Ombro

Tornozelo e Pé

Quadril

Tumores

Discussões Impacto Femuroacetabular

Questão Impacto Femuroacetabular 001

Discussão:
Impacto Femoro-acetabular
Principal causa de AO em indivíduos menores que 50 anos
2 tipos: CAME – problemas no fêmur. Proeminência da junção cabeça colo na sua porção anterior; offset do colo curto. Mais comum em homens, jovens atletas. Apresenta lesão labral + avulsão da cartilagem acetabular. 25% dos homens e 5% das mulheres assintomáticos apresentam deformidade CAME, mas apenas 8% desenvolvem AO.
PINCER: problemas no acetábulo. Coxa profunda, acetábulo protruso, retroversão acetabular. Mais comum em mulheres de meia idade; mais dano labral que cartilagíneo. Lesão condral da parede posterior por contragolpe.
MISTO: 42% dos casos.
Diagnóstico:
Dor articular, sinal do C, dor em longos períodos sentados. Exame físico: FADIR (impacto anteroposterior); EXABER (impacto posteroinferior).
Imagem: ângulo alfa > 55 (CAME); offset diminuído (CAME); crossover (Pincer); sinal da parede posterior – ponto dentro da parede posterior = excesso de parede posterior (Pincer); LCE (Wiberg) > 40 (Pincer); coxa profunda/acetábulo protruso (Pincer).
Tratamento:
Conservador: modificações de atividades de vida diária; AINEs; fisioterapia para fortalecimento muscular (não ganhar ADM!). Maus resultados
Cirúrgico:
Luxação controlada (Ganz) + acetabulofemoroplastia: luxação anterior do quadril após osteotomia do trocanter maior; indicado para grande deformidade. Boa visualização da cabeça e acetábulo. Riscos de PSA do grande trocanter e ONCF.
Artroscopia: menos invasiva; nível técnico difícil; pequenas deformidades; vem trazendo bons resultados.
Artroscopia + osteocondroplastia aberta limitada: após artroscopia, via anterior; somente osteocondroplastia anterior
Osteotomias periacetabulares: com retroversão verdadeira do acetábulo (Ganz ou Steel).
Fatores de mau prognóstico: tönnis  2; evidencia intraoperatória de delaminação da cartilagem articular; idade aumentada.
Respost

Questão Impacto Femuroacetabular 002

Discussão:
Observam-se sinal do cruzamento e sinal da parede posterior, o que significa retroversão acetabular. Se o sinal da parede posterior fosse negativo, significaria apenas sobrecobertura acetabular.

Questão Impacto Femuroacetabular 003

Discussão:
Com o sinal da parede posterior positivo, deve-se a retroversão verdadeira do acetábulo.

Questão Impacto Femuroacetabular 004

Discussão:
De acordo com Campbell, paciente com impacto do tipo pincer causado por retroversão isolada da borda anterossuperior do acetábulo podem ser tratados com reflexão labral artroscópica, trimming da borda e reinserção labral.
No acetábulo com retroversão isolada, é indicada osteotomia periacetabular; trimming da borda pode causar instabilidade.

Questão Impacto Femuroacetabular 005

Discussão:
55 é o valor limite para o ângulo alfa indicar impacto tipo CAME.

Questão Impacto Femuroacetabular 006

Discussão:
42% dos casos são mistos.
Vale lembrar que a lesão por contragolpe ocorre no tipo pincer.

Questão Impacto Femuroacetabular 007

Discussão:
Sinal da parede anterior não existe (ou ao menos não tem a ver com IFA). Um ângulo de Wiberg normal é de 20 a 24; menor que isso indica subcobertura, e maior que 40, sobrecobertura.

Questão Impacto Femuroacetabular 008

Discussão:
Fatores de mau prognóstico são: Tönnis  ≥ 2, presença intraoperatória de delaminação, idade avançada. Tratamento conservador tem péssimos resultados. Não se deve ganhar ADM para o tratamento, pois piora os sintomas.

Questão Impacto Femuroacetabular 009

Discussão:
Não é indicado tratamento de impacto assintomático. Artroscopia está se tornando uma boa opção à cirurgia aberta. Não obrigatoriamente todos os casos terminarão em ATQ.

Questão Impacto Femuroacetabular 010

Discussão:
Coxa profunda: fundo acetabular toca ou ultrapassa a linha de Köhler
Acetábulo protruso: cabeça ultrapassa a linha de Köhler.
O principal fator de impacto é o tipo pincer nestas circunstâncias, em que há impacto principalmente na região anterolateral do acetábulo, porém não localizado, uma vez que há excesso circunferencial de cobertura da cabeça

Questão Impacto Femuroacetabular 011

Discussão:
Lesões características do impacto tipo CAM: rasgo na base do labrum na junção condrolabral. A cartilagem articular adjacente torna-se lesada devido à compressão da cabeça femoral com seu raio de curvatura relativamente maior rodando no acetábulo. Frequentemente a cartilagem delamina do osso subcondral, proegindo a partir da borda acetabular. Neste processo, o labrum acetabular é poupado relativamente, com mais lesão incorrendo dentro da cartilagem articular.
Uma lesão em contragolpe é frequentemente vista posteriormente na cabeça femoral e posteroinferiormente no acetábulo devido a impacto CAM anterior com aumento subsequente na pressão da cartilagem posterior do quadril.
No impacto tipo pincer, nos extremos de movimento, o labrum é pressionado entre as superfícies ósseas e subsequentemente sofre mais dano do que a cartilagem adjacente. Pode piorar progressivamente devido a crescimento ósseo reativo na borda acetabular ou calcificação do labrum, aumentando o grau de sobrecobertura.

Questão Impacto Femuroacetabular 012

Discussão:
O diagnóstico é feito com radiografia simples, especialmente na incidência de Dunn, que permite calcular o ângulo alfa.

 

Traumatologia e Ortopedia

New Report

Close