Tumores da coluna vertebral

Tumores metastáticos, que migram de locais distantes por qualquer linfática ou hematogênica rotas, são responsáveis ​​por 97% de todos os tumores na coluna vertebral.
– Neoplasias primárias e metastáticas tendem a se originam no corpo vertebral, envolvendo um ou ambos os pedículos.
– Lesões dos elementos posteriores são mais comumente benigna.

Diagnóstico diferencial das lesões da coluna vertebral

– acima de 40 anos de idade
Metástases
Mieloma múltiplo
Hemangioma
Cordoma (no sacro)

– abaixo de 30 anos de idade
Corpo vertebral
histiocitose
hemangioma
Elementos posteriores
osteoma osteóide
osteoblastoma
cisto ósseo aneurismático

Tumores na coluna vertebral
Tumores na coluna vertebral

Os sintomas

Dor nas costas: progressiva e implacável, não relacionados à atividade e não responder ao repouso, bem localizada para o segmento da coluna vertebral envolvido, reproduzida pela palpação ou percussão sobre a área envolvida, e mais grave ou perturbador à noite.

Dor e causa da disfunção neurológica: fratura patológica; expansão do córtex vertebral e os tecidos circundantes ao tumor; compressão ou invasão de raízes nervosas; instabilidade segmentar; compressão da medula espinhal

Deformidades associadas com tumores podem surgir subitamente e progredir rapidamente.

Básicos para investigação: hemograma completo, diferencial, velocidade de sedimentação, exame de urina, eletrólitos, cálcio, e um painel de química básica; soro e eletroforese de proteínas na urina, se pesquisa, positiva óssea e aspirado de medula óssea; ultra-som renal ou tomografia computadorizada abdominal; TC de tórax; cintilografia óssea, exame físico: mamas, próstata, reto, fezes, tireóide.

Exames de imagem

Na radiografia, os tumores malignos podem diferenciar da infecção por não acometer o disco, mantendo o espaço.

Radiografias simples:
– Radiografias simples irá demonstrar anormalidades em 80% a 90% dos pacientes com neoplasia da coluna vertebral

Cintilografia:
– Com tecnécio que pode detectar a presença de tumores antes que se tornem aparentes em radiografias simples. Porque nas provas radiográficos de destruição óssea não é aparente até depois de 30% a 50% do osso trabecular ser desmineralizada ou destruídos. Cintilografia óssea é mais sensíveis para pegar o envolvimento precoce.

Tomografia Computadorizada:
– A tomografia computadorizada podem fornecer informações de diagnóstico sobre focos pequeno de tumor no início de seu desenvolvimento, antes da destruição óssea extensa ou extensão intramedular ocorreu, e antes de erosão cortical ter avançado até o ponto de fratura iminente.

Ressonância Magnética:
– A ressonância magnética (RM) é não-invasivo, seguro e prontamente disponível para a maioria dos pacientes. RM tira imagens diretamente da medula espinhal, cauda eqüina e as raízes nervosas, sem o auxílio de contraste intratecal. Com realce pelo gadolínio pode diferenciar fraturas de compressão osteoporóticas de doença metastática. Características dos tumores na ressonância magnética são córtex posterior convexo, a massa epidural, sinal T1 de baixa intensidade, da intensidade de sinal heterogênea ou T2, do sinal de alta intensidade após a injeção de gadolínio.

Mielografia:
Quando a RM não pode ser feito, mielografia com TC após, pode fornecer a mesma informação.

Biópsia

Há três abordagens básicas para biópsia:
– Percutânea agulha ou trocarte de biópsia: vantagens são que agulha de biópsia é minimamente invasivo e utiliza anestesia local.
– Aberta, a biópsia incisional: A incisão deve ser longitudinal, nunca transversal. Lidar com os tecidos delicadamente, e fornecer hemostasia meticulosa para evitar a disseminação do tumor. Evitar o uso de bisturi elétrico na amostra da biópsia em si.
– Aberto, a biópsia excisional inclui a remoção de todo o tecido do tumor no momento da biópsia.

Observação: metástases de células renais deve ser abordado de forma mais cautelosa do que a maioria de outros tumores, apesar de tireóide metastático, melanoma, e algumas lesões de mama também poderem ser altamente vascularizados.

Tipos de tumor

Tumores primários

Tumores primários representam menos de 3% de todas as lesões da coluna vertebral. Taxas de sobrevivência são mais diretamente, mas não inteiramente, relacionada ao tipo de tumor. Algumas lesões de baixo grau pode permitir uma sobrevivência a longo prazo, apesar de sua natureza maligna, enquanto algumas lesões histologicamente benignos podem revelar-se letal, por causa de sua localização na coluna vertebral.

Tumores primários benignos

Osteocondroma

7% dos osteocondromas. Oitenta por cento dos osteocondromas sintomáticos ocorrem na coluna cervical, acima de T6. RM demonstra a capa da cartilagem radiolúcida, que geralmente provoca compressão da medula espinhal. Excisão do tumor, em bloco ou por partes, fornece a recuperação neurológica confiável, com pouco risco de recorrência.
Encondromas desenvolvem uma estrutura bem definida, a margem benigno cortical, mas calcificações puntiformes da lesão podem sugerir condrossarcoma, sendo necessário uma biópsia excisional.

Osteoma osteóide e Osteoblastoma

Originários a partir dos elementos vertebrais posteriores. Osteoma osteóide tem excisão da lesão de forma confiável e imediatamente alivia a dor do paciente. Osteoblastoma é consideravelmente maior do que os dois centímetros do osteoma osteóide, é caracterizado pela expansão do osso cortical sobrejacente e uma borda fina de osso reativo entre as trabéculas. Quando a excisão completa do osteoblastoma não é viável, curetagem e enxerto ósseo pode fornecer um resultado a longo prazo aceitável. Escoliose relacionados a essas lesões é muitas vezes flexíveis e geralmente melhoram ou desaparecem após a lesão ser removida.

Hemangiomas

A ressonância magnética mostra que hemangiomas vertebrais são comuns, ocorrendo em aproximadamente 10% de todos os adultos. Relatórios de deformidade ou dor associada com hemangioma são raros, e os cirurgiões devem hesitar antes de atribuir os sintomas da dor mecânica ou crônicas dessas lesões. Acompanahmento é desnecessário. Radiografias simples geralmente mostram estrias verticais indicativas de trabéculas espessadas dentro do corpo vertebral envolvido, e geralmente TC demonstra estas trabéculas, que pontilham a região da lesão. Respondem à radioterapia ou embolização vascular isoalda. Se colapso vertebral ou compressão neural ocorrer, a descompressão cirúrgica e reconstrução através de uma abordagem anterior são indicados.

Tumor de células gigantes

Tendência a recorrer. Geralmente visto na terceira ou quarta década de vida, os tumores aparecem em radiografias simples, com esclerose marginal e um padrão geográfico de destruição óssea. Estes tumores de crescimento lento são geralmente anteriores e podem expandir a cortical do osso circundante à medida que crescem.
– Devido à tendência dos tumores de células gigantes de recorrência local, TC e RM são particularmente importantes no planejamento de uma operação que irá proporcionar uma margem tão ampla quanto possível.

Granuloma eosinofílico

Crianças com idade inferior a 10 anos. Três síndromes: granuloma eosinofílico isolado, doença de Hand-Schüller-Christian e doença Letterer-Siwe. A apresentação clássica radiográfica é causada por quase completo colapso do corpo vertebral, resultando em uma vértebra plana, ou em “moeda”.

Cisto ósseo aneurismático

Envolvem os elementos posterior e são mais comumente visto na coluna lombar. Pode se estender entre os níveis segmentar e envolver duas ou até três vértebras adjacentes. Curetagem geralmente elimina a lesão, e recorrências, que não tendem a invadir estruturas vitais, pode ser tratada com sucesso pela curetagem ou excisão repetida.
– Elementos posteriores: Cisto ósseo aneurismático, osteoblastoma, osteoma osteoide.

Tumores primários malignos

Cordoma

Exclusivamente no esqueleto axial. Derivados de restos de tecido notocordal que residem na base do crânio, região sacrococcígea, e entre os segmentos vertebrais. Lenta, mas inexorável progressão local. Apresenta metastases tardias, mas ele tem uma tendência agressiva, se recidivar no local da cirurgia, o que torna altamente letal. Embora incomum em crianças, são mais histologicamente variável e mais clinicamente agressiva nesta faixa etária, do que em adultos. Devido ao seu desenvolvimento insidioso, cordomas podem atingir o tamanho notável, antes de serem reconhecidos. A ressecção cirúrgica é o único procedimento curativo para cordomas. A margem é crucial para o controle local, porque essas lesões geralmente não respondem à radioterapia e quimioterapia. Realização de biópsia de uma suspeita de cordoma deve ser feita através de uma abordagem posterior, após todos os estudos de preparação. Nunca biopsiar uma lesão sacral através da abóbada retal; violação da parede retal requer colectomia.

Osteossarcoma

Sobrevida após o diagnóstico variou de 6 a 18 meses, independentemente da abordagem cirúrgica. Osteossarcoma da coluna vertebral geralmente surge no corpo vertebral. As radiografias revelam destruição cortical, calcificação dos tecidos moles e reação periosteal. A massa de tecido mole paravertebral pode ser extensa e pode encerrar ou investir em grandes vasos ou outras estruturas contíguas. Extensão da massa de tecidos moles pode resultar em compressão da cauda eqüina.

Condrossarcoma

Resistente a radioterapia e quimioterapia, esses tumores são de crescimento lento, localmente invasivo, e difícil de erradicar a partir da coluna vertebral. Radiograficamente, a massa de tecido mole de destaque pontilhado com calcificações floculantes.

Sarcoma de Ewing

Sarcoma de Ewing pode surgir na coluna como uma lesão primária ou uma lesão metastática. 3,5% das lesões de Ewing são pensados ​​para surgir na coluna vertebral principalmente. Estes tumores produzem um padrão permeativo e destrutivo, que pode ser difícil de discernir em radiografias simples, de modo que o primeiro achado radiográfico pode ser o colapso vertebral e vértebra plana. Extensão intramedular pode produzir sintomas neurológicos antes do envolvimento ósseo se tornar aparente na radiografia simples. RM irá demonstrar a lesão e sua extensão, bem como mostrar metástase epidurais ocasionais que não envolvem a estrutura óssea.
– Terapia eficaz para sarcoma de Ewing gira em torno de um programa de poliquimioterapia e altas doses de radioterapia. O tratamento cirúrgico é indicado para descomprimir estruturas neurológicas e estabilizar a coluna vertebral. Laminectomia torácica e toracolombar deve ser instrumentado para evitar cifose.

Plasmocitoma solitário

Plasmocitoma solitário e mieloma múltiplo representam dois extremos de uma doença linfoproliferativa de células B. O mieloma múltiplo é rapidamente progressiva e altamente letal, exigindo pouco mais de cuidados de suporte para o envolvimento da coluna vertebral. Plasmocitoma solitário pode permanecer localizado por anos antes de, eventualmente, propagar. Sobrevivência prolongada é possível se o controle local puder ser obtido.
– Plasmocitoma e mieloma são tumores radiossensíveis. O tratamento cirúrgico é indicado para estabilizar a coluna e reduzir a dor mecânica e para descomprimir elementos neurológicos em pacientes com sintomas rapidamente progressiva. A cirurgia é também garantida para aqueles pacientes com doença recorrente ou tumores que não responderam à radioterapia. Acompanhamento com eletroforese de proteínas séricas e RM fornece o primeiro indício de recorrência ou disseminação.

Linfoma

Linfoma pode ocorrer como uma lesão isolada ou como manifestação focal de uma doença disseminada. Tal como acontece com plasmocitoma, o tratamento cirúrgico é um adjuvante à terapia sistêmica e radioterapia. Descompressão cirúrgica é indicada para descomprimir nervo, cauda eqüina, ou raiz nervosa lesada por extensão do tumor ou fratura patológica, e estabilizar segmentos da coluna danificada.

Doença metastática

A coluna vertebral está predisposto a doença metastática por sua anatomia vascular, sua arquitetura, e sua proximidade a fontes comuns da doença. Pacientes com câncer de mama, próstata, renal, tireóide ou carcinoma gastrointestinal podem experimentar sobrevivências estendida com os atuais protocolos de coadjuvante, apesar de metástases estabelecida. Pacientes com mieloma múltiplo ou carcinoma pulmonar tipicamente deterioram-se e morrem logo após a metástase. Mama, próstata, renal e carcinomas tendem a estabelecer metástases na coluna vertebral no início do processo da doença, enquanto que carcinomas gastrointestinais normalmente vão para o fígado e os pulmões em primeiro lugar.
– Metástases mais frequentes: mama; pulmão; próstata

Tumores pediátricos

Doença metastática é o tumor maligno mais comum da coluna vertebral em crianças; neuroblastoma é responsável por quase um terço de todos os tumores pediátricos vertebral . Sarcoma de Ewing é a malignidade primária mais comum, mas ainda é mais frequentemente uma metástase do que uma lesão primária. No entanto, 70% dos tumores primários pediátricos são benignos.

Neuroblastoma

Neuroblastoma é um tumor maligno agressivo, que pode se espalhar para a coluna ou por disseminação vascular ou disseminação contígua da lesão primária. Tratados com uma combinação de quimioterapia, radioterapia e excisão cirúrgica, mau prognóstico geral.

Leucemia

A maioria desses pacientes tem dor nas costas, e alguns podem ter colapso vertebral no momento da apresentação. Queixas inespecíficas de dores musculares, fadiga, letargia e febre, assim como achados de anemia, deve desencadear uma procura para a doença subjacente. Radiografias não são característicos: podem apresentar colapso vertebral, alterações focais líticas, ou esclerótica, lesões geográfica, ou podem ser totalmente normais. Cintilografia óssea também pode ser inocente, mas RM vai demonstrar de forma confiável o infiltrado

> Arquivos de Apresentações em ppt

Última atualização porMarcioR4
Quanto você gostou deste artigo?0000
Inscrever-se
Avisar sobre
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments