Mielopatia cervical

Compressão em um ou mais níveis

Irrigação da medula cervical

Sistema superior e inferior

Sistema inferior: artérias vértebro-medulares
Ramos colaterais que saem da artéria vertebral nos canais de conjugação
Divide-se em:
– Artéria radicular (ramo radicular ou medular) -> espaço subdural
– Divide-se em:
– – artéria radicular anterior
– – – digire-se ao sulco mediano -> desemboca na espinal anterior
– artéria radicular posterior
– – pelo sulcos posterolaterais -> trato anastomótico póstero-lateral -> convergem para espinais posteriores

Sistema superior:
– Ramos colaterais intracranianos da artéria vertebral
– Tronco basilar (união das artérias vertebrais)
– Artérias vertebrais -> ramo descendente -> início da artéria espinal superior

Irrigação intra-medular

Superficial:
– círculo arterial perimedular
– anastomosa a artéria espinal anterior com as posteriores
– ramos penetram na superfície da medula
– irrigam a substância branca e extremidades dos cornos posteriores
– irrigam principalmente as vias sensistivas

Profunda
– Origem da artéria sulco comissural (ramo da artéria espinal anterior)
– Irriga os feixes piramidais
– Comprometimento mais comum: artéria espinal anterior
– Comprometimento da artéria radicular principal: menos comum
– Também leva a síndrome espinal anterior

Possíveis déficits

– Déficit motor sublesional por lesão dos feixes piramidais
– Déficit motor e trófico lesional por lesão dos cornos anteriores
– Déficit sensitivo sublesional por lesão dos feixes espinotalâmicos
– Déficit sensitivo lesional
– Déficit esfincteriano

Quadro clínico

– Raramente é agudo
– Mielopatia aguda: raro
– Hérnia discal aguda traumática
– Paralisia flácida que evolui para espástica
– Dissociação siringomiélica com espasticidade dos membros inferiores e amiotrofia nos superiores
– Mielopatia crônica
– Sintomas motores são predominantes
– Paresia espástica

Diagnóstico

RM
ENMG: útil para diagnóstico diferencial

Diagnóstico Diferencial

– Esclerose lateral amiotrófica (ELA)
– – ENMG é útil
– – Afastada nos casos de evolução superior há 4 anos
– Esclerose múltipla
– Tumores

Tratamento

Conservador: imobilização, AINH

Cirúrgico
Mielopatia aguda: cirurgia de urgência
Mielopatia crônica
Cirurgia previne a evolução da doença e melhora as condições já existentes
– Se até 3 níveis: descompressão por via anterior
– Se > 3 níveis: descompressão por laminoplastia


Última atualização porMarcioR4

Deixe uma mensagem