Fratura-luxação do carpo

Em traumas com alta energia, os ligamentos radiocarpais e intercarpais rompem-se, permitindo algum movimento entre os ossos do carpo, levando a uma luxação ou subluxação carpal.

Devido a sua localização e as características cinesiológicas do semilunar, é ao seu redor que acontece as principais luxações do carpo.

Anatomia

A anatomia dos ossos do carpo é arrojada de tal maneira que, em qualquer posição do punho, as duas fileiras do carpo permanecem estáveis. Os principais critérios de estabilidade são:
– Formato do esqueleto
– Ligamentos dorsais e volares, que são os mais fortes.
– – Estes ligamentos dividem-se em extrínsecos proximais (radio/ulnocarpais) e distais (carpometacarpais) e os intrínsecos (intercarpais) . Os principais são: Radioescafocapitato, radioescafosemilunar, escafosemilunar e lunopiramidal.
– Fileiras proximais e distais do carpo
– Colunas lateral (STT), central (semilunar/capitato/hamato) e medial (piramidal e pisiforme).

Mecanismo de trauma

Queda com a mão espalmada em hiperextensão, principalmente;

Radiografias

Punho em PA, P, túnel e incidências para escafóide

Classificação de Grenn

1. Luxação perissemilunar dorsal
2. Fratura luxação transescafoperissemilunar dorsal
3. Luxação perissemilunar volar
4. Variantes:
– Fratura luxação transestilorradial perissemilunar
– Síndrome navículo-capitato
Fratura luxação transpiramidal perissemilunar
5. Luxação completa do escafóide
6. Instabilidade pós-traumática tardia do carpo

Tratamento

Cirúrgico sempre:
– Redução incruenta e fixação percutânea se possível
– Senão, RAFI via dorsal e osteossíntese com fios de Kirschner e imobilização gessada por seis semanas.

Técnica cirúrgica de Brunelli

Aproxime-se pelo aspecto extensor do punho. Obtenção de retalho capsular segundo Berger. Obtenção de banda com pedículo distal do tendão flexor radial do carpo por abordagem palmar independente. Perfuração de um canal da face palmar para a face dorsal através do tubérculo do escafoide até a origem da porção dorsal do ligamento escafolunato no escafoide, ou no sentido reverso. Correção de eventual instabilidade e transfixação temporária com fios de Kirschner entre os ossos escafoide e de grandeza e os ossos escafoide e semilunar para manter a redução. A banda do tendão do flexor radial do carpo é deslocada dorsalmente através do osso e fixada por ancoragem óssea no corno posterior do osso semilunar.

A faixa do tendão é então passada por uma incisão feita no ligamento radiopiramidal dorsal e suturada a si mesma.

Tratamento pós-operatório

Imobilização com bandagem gessada no antebraço incluindo falange proximal do primeiro dedo por seis semanas; Remoção do fio de Kirschner após oito semanas; em seguida, fisioterapia para melhorar a mobilidade

Complicações

SNAC, Pseudartrose de escafóide, Necrose avascular e instabilidades carpais.

O tratamento para estas lesões são as cirurgias de salvação, quando associados a artrose do carpo, e nos casos de pseudartrose e lesões ligamentares, o tratamento de escolha é curativo.

> Arquivos de Apresentações em ppt
> Arquivos de Resumos em pdf

Última modificação porAvatarMarcioR4
Quanto você gostou deste artigo?0000
Inscrever-se
Avisar sobre
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments