Fratura de rádio distal na criança

Fraturas epifisárias

Importante saber a classificação de Salter Harris.

Tipo I: 26% Tentativa de tratamento conservador, redução incruenta + gesso axilo palmar.
Tipo II: 60% Fratura benigna. Fraturas com estabilidade intrinseca. Consegue-se estabilidade com redução e gesso. Ex: Fratura do rádio distal, periósteo dorsal esta integro, basta imobilizar com punho em flexão.
Tipo III e IV: Raro.

Importante não manipular uma lesão fisária após 7 dias. Neste casos é melhor consolidar e posteriormente fazer osteotomia

Fraturas metafisárias

Torus:

Galho verde:

Completa:

Desvios idade (anos)sagital (graus)frontal (graus)
4 – 92015
9 – 11155
11 – 13100
> 1350

Tratamento

– Fraturas tipo torus: Fraturas estáveis. Gesso curto
– Fratura galho verde: Redução incruenta + gesso
– Fratura completa: Redução incruenta + gesso
– – Redução incruenta + fio de K (instáveis, cotovelo flutuante, edema excessivo)
– – Redução cruenta + fio de k
– – – Evitar passar o fio de k por dentro da fise. É necessário uso de calha gessada

> Arquivos de Apresentações em ppt

Última atualização porMarcioR4

Deixe uma mensagem