Deformidades posturais do pé

Generalidades

Por definição são fetopatias NÃO teratológicas, que se desenvolvem no período pós-embrionário, após a organogênese, isto é, é uma deformação de um membro normalmente formado devido a posição não natural do feto humano no útero.

Já as malformações congênitas são defeitos que se originam no período da organogênese e, portanto, são embriopatias teratológicas.

A postura fetal humana é dependente do desenvolvimento sequencial da função neuromuscular feita no sentido crânio-caudal. Portanto, a medida que os grupos musculares vão sendo inervados, o MMII vai assumindo sequencialmente diferentes posturas até chegar por volta da 26º a 40º semana na posição de flexão-rotação medial-adução do quadril com flexão do joelho e flexão plantar do pé.

As deformidades posturais do pé são : talipes valgus, metatarsus adductus e pé torto postural

Pé calcaneovalgo

Dorsoflexão e eversão do pé inteiro, às vezes o dorso do pé pode tocar na face anterior da tíbia
– É a deformidade mais comum do pé vista ao nascimento, sendo mais comum em meninas
– Os tecidos moles do dorso e da face lateral do pé estão contraídos e limitam a flexão plantar
– Não há alteração óssea, subluxação ou luxação dos ossos do tarso, diferenciando-o do talus vertical (pé plano valgo convexo).

Tratamento varia de acordo com a gravidade do caso, mas o prognóstico é bom:

– brando: o pé pode ser fletido plantarmente e invertido além da posição neutra, nestes casos não necessitam de tratamento, pois com 03 a 06 meses, o pé retoma espontaneamente ao alinhamento

– moderado: dificuldade para fleti-lo e inverte-lo plantarmente, além da posição neutra, nestes casos, indica-se a manipulação passiva (flexão plantar e inversão do pé por 10 segundos, 20 a 30 vezes em 04 sessões diárias)

– grave: são resistentes, indicando-se a manipulação passiva e retenção em aparelho gessado com o pé em equinovaro. Em 04 a 06 semanas a deformidade estará corrigida.

Pé varus postural

Adução e inversão do antepé + inversão do retropé. Porém a amplitude de dorsoflexão do tornozelo e do pé é normal, isto é, não está em flexão plantar.
– Não há alterações estruturais ósseas e a deformidade é flexível

Tratamento é baseado na manipulação passiva (alongamento para posição valga) com retenção em aparelho gessado, que é trocado semanalmente. Obtem-se resultado com 02 a 04 semanas. Em casos mais graves após este período utiliza-se tala de polipropileno (noite) e manutenção da manipulação passiva por mais 03 meses.

Pé valgus postural

Abdução e eversão do antepé e mediopé com retropé em vários graus de eversão. Possui amplitude de dorsoflexão e flexão plantar normal

Tratamento: manipulação passiva e retenção em aparelho gessado por 03 a 06 semanas

Metatarso aduzido postural

Adução do antepé com retropé neutro ou ligeiramente valgo. Não há alterações ósseas nem subluxações articulares, diferenciando-o do metatarso varo congênito, em que há subluxação medial da articulação tarsometatarsiana, caracterizando uma deformidade rígida.

Tratamento: a correção espontânea ocorre em 03 a 04 meses sem tratamento. Em caso graves indica-se a manipulação passiva (abdução).

Pé torto postural

O antepé está aduzido e invertido + retropé invertido + flexão plantar do tornozelo
– A deformidade não é rígida e não há alterações articulares nem deformidades ósseas

Tratamento consiste no alongamento passivo para posição valgo e dorsoflexão com retenção em aparelho gessado

> Arquivos de Apresentações em ppt
> Arquivos de Resumos em pdf


Última atualização porMarcioR4

Deixe uma mensagem