Cistos da mão

Definição

– cistos originários da sinovial ou bainha dos tendões ou tendões.
– Causa mais comum de massas focais na mão.

Epidemiologia

– pode ocorrer em qualquer sexo e idade.
– mulher, sexo feminino 3x
– 2ª e 4ª décadas
– 50-70% dos tumores da mão
– 2ª-4ª década de vida
– Associado a traumatismos repetitivos
– Geralmente tem continuidade com a cápsula articular ou bainha tendínea

Etiologia / Fisiopatologia / Mecanismo de Trauma

– Causa não clara. Inúmeras explicações: degeneração mucóide, tecidos periarticulares embrionários, esforços, traumatismos, etc
– freqüente histórico de lesão crônica aguda ou recorrente, possivelmente ocupacional

Origem:

Dorsal: ligamento escafo-semilunar 60-70%
– Mais comum: entre extensor comum dos dedos e extensor longo do polegar
– Bainha do tendão flexor: 3º mais comum
– Origem do ligamento anular proximal (A1)

Volar: Sobre a extremidade distal rádio
– Cápsula radiocarpal: entre o flexor radial do carpo e abdutor longo
– Cápsula da escafo-trapezóide
– Bossa carpo metacárpica

Cisto mucinoso: cisto da interfalangiana distal
– Geralmente entre a 5ª-7ª década de vida
– Quadro clínico: deformidade da unha

Origem mais comum é o ligamento escafo-semilunar dorsal.
– 2º local é palmar radial ao tendão FRC

Quadro clínico

– maioria é assintomática.
– dor contínua indistinta e sensação de fraqueza.
– desconforto moderado, às vezes observado antes que a tumoração seja detectável.
– características dos cistos conforme localidade:
– dorso do punho: palpável entre o 2º e 4º compartimentos dorsais, firmes, lisos flutuantes e redondos
-tendões extensores proximalmente: menos firmes, multiloculares e irregulares.
– tendões flexores: local mais comum é no sulco cutâneo da MCF, são redondas e duras, muitas vezes dolorosas a compressão firme.
– pode causar compressões nervosas e dedo em gatilho dependendo da localização.
Imagem
– RX para descartar alt óssea
– pode apresentar erosão por compressão principalmente se ocorre na palma.

Diagnóstico diferencial

Tumores da mão: lipoma, lipossarcoma, xantomas, etc.
– Esporão osteoartrítico na base da 2º e / ou 3º articulação carpo metacárpica
– Massa óssea, não móvel e dolorosa

Tratamento

Não-cirúrgico: (punção e infiltração, destruição por pressão, transfixação OU AINE, analgésico), não é resolutivo, melhora por período variável de tempo, taxa cura: 65%
– – Conteudo da aspiração: líquido levemente amarelado, gelatinoso, viscoso.

Cirúrgico, alta taxa de recidiva (20%): indicação = dor persistente.
– Tipos: anestesia geral ou bloqueio axilar, taxa cura: 94% / anestesia local e torniquete, taxa cura: 84%
– ocasionalmente desaparecem espontaneamente.
– os cistos do dorso da mão podem ser rompidos por pressão digital ou batendo num punho flexionado com um livro.
– os cistos das bainhas dos flexores frequentemente são perfurados múltiplas vezes com agulha 18 com anestesia local.
– NÃO é aconselhada a aspiração do cisto volar pela proximidade com a artéria radial (a ruptura por pressão é mais difícil no cisto volar)
– excisão cirúrgica deve incluir margem capsular ampla em torno da base do cisto e NÃO deve fechar a cápsula articular.
– Recorrência é rara após excisão completa.

Pós-operatório

– tala 2 semanas após isso reabilitação.

Complicações

– recidiva
– lesão e compressão arterial e nervosa.

> Arquivos de Apresentações em ppt


Última atualização porMarcioR4

Deixe uma mensagem