Fascite Plantar: Entenda uma das causas de dor na sola do pé

Fascite plantar é a causa mais comum de dor na sola do pé junto à base do calcanhar. A fáscia plantar é uma faixa plana de ligamentos que liga o osso do calcanhar aos dedos dos pés. É ela que mantém o leve arco longitudinal dos seus pés. Se você distender sua fáscia plantar, ela se tornará fraca, inchada e inflamada. Assim, seu calcanhar e a sola do pé podem doer quando você anda ou corre, e até mesmo ao andar.

A fascite plantar é comum em pessoas de meia-idade. Ele também ocorre em pessoas mais jovens que utilizam muito os seus pés como desportistas, sendo muito comum em corredores. A fascite plantar pode acontecer em apenas um pé ou em ambos os pés ao mesmo tempo.

, Fascite Plantar: Entenda uma das causas de dor na sola do pé, Ortopedista Especialista em Tornozelo e Pé - DF

O que causa a fascite plantar?

A Fascite plantar é causada pela distensão do ligamento que suporta o arco dos pés. A tensão repetida pode causar pequenas lesões no ligamento que podem levar à dor e inchaço. Não é causada pelo esporão do calcâneo que é somente um sinal de inflamação crônica local.

A fascite plantar é mais provável de acontecer se você:

  • Tem arcos dos pés altos (pé cavo) ou pés chatos.
  • Anda, fica de pé ou corre por longos períodos de tempo, especialmente em superfícies duras.
  • Está acima do peso.
  • Usa sapatos que não calçam bem, como salto alto, ou estão desgastados.
  • Tem pisada excessivamente pronada, o que ocorre em pessoas com “pé chato” (arco do pé mais plano e fraco), o que força mais a fáscia plantar.

Quais são os sintomas da fascite plantar?

A maioria das pessoas com fascite plantar tem dor quando dão seus primeiros passos depois de sair da cama ou após sentarem-se por um longo tempo. Apresentam menos rigidez e dor depois de dar alguns passos, mas podem sentir ainda mais dor se fazem atividades que não dão descanso aos pés. Eles vão doer mais ao subir escadas ou depois de permanecer por um longo tempo em pé.

Se você tem dor no pé à noite, pode ter um problema diferente, como artrite ou um problema nervoso, como a síndrome do túnel tarsal.

Como é diagnosticada a fascite plantar?

O seu médico irá verificar os seus pés e pedir para você andar.

Ele também fará perguntas sobre:

  • Seu estado de saúde atual e passado, incluindo quais doenças ou lesões você teve.
  • Seus sintomas e como e onde é a dor e que hora do dia seu pé dói mais.
  • Se você está ativo e que tipos de atividade física costuma fazer.

O seu médico pode pedir uma radiografia se suspeitar de um problema com os ossos do pé, como uma fratura por estresse.

Prevenção da Fascite Plantar:

Os seguintes passos ajudarão a prevenir ou melhorar a condição se você já tem a fascite plantar:

  • Cuide dos seus pés: Use tênis com bom suporte do arco plantar e bom amortecimento do calcanhar. Se o seu trabalho exige que você fique em pé sobre superfícies duras, use uma esteira de borracha grossa para reduzir o estresse em seus pés.
  • Faça exercícios para esticar o tendão de Aquiles na parte de trás do calcanhar. Isto é especialmente importante antes de esportes, mas é útil para praticantes de fim de semana. Pergunte ao seu ortopedista especialista em pés, fisioterapeuta ou educador físico algumas recomendações para uma boa rotina de alongamentos.
  • Permaneça em um peso saudável e condizente com sua altura.
  • Estabeleça bons hábitos na prática de exercícios. Aumente gradualmente seus níveis de exigência e use tênis compatíveis com a ergonomia de seu pé (veja imagem acima com recomendações)
  • Se você não é um corredor profissional, mas gosta da prática, alterne corrida com outros esportes que não causem tanto estresse no calcanhar.
  • Coloque firmes logo que sair da cama. Observe-se ao usar chinelos. Eles colocam estresse em seus pés, já que para segurá-los você impõe estresse constante ao dedão do pé.

Se você acha que as atividades de trabalho ajudam a causar a fascite plantar, solicite uma troca de função temporária ou peça adaptações na maneira de fazer o seu trabalho para que sua dor na sola do pé não piore. Se você gosta de praticar esportes, consulte um ortopedista do esporte para dar recomendações de equipamento e te ajudar a montar programas de treinamento e condicionamento para evitar a fascite plantar recorrente.

Tratamento para fascite plantar

Não existe um tratamento específico para todos que apresentam fascite plantar. Mas há muitas coisas que você pode fazer para deixar melhor a dor na sola do pé:

  • Dê descanso aos seus pés: Simplesmente reduza as atividades que fazem seu pé doer. Procure evitar de andar ou correr em superfícies duras.
  • Para reduzir a dor e o inchaço, tente colocar gelo na planta do pé algumas vezes ao dia e após atividade física, ou tome um analgésico recomendado por seu médico

Faça alongamentos com a ponta dos pés e as panturrilhas várias vezes ao dia, especialmente quando você se levanta pela manhã.

Os exercícios de alongamento são os melhores para prevenir e tratar a fascite plantar.

  • Órteses de uso noturno mantém o pé alongado e podem aliviar os sintomas.

olha calçados com palmilhas almofadadas ou faça palmilhas ortopédicas especiais, que suportem bem o arco da sola do seu pé. Use-as em ambos os sapatos, mesmo que apenas um pé esteja doendo.

  • Sessões de fisioterapia como recomendado por seu ortopedista especialista.

Se estes tratamentos não ajudarem, o seu médico pode recomendar talas para você usar à noite, injeções de corticoesteroides e outros tratamentos. Você provavelmente não precisará de cirurgia.

Os ortopedistas especialistas em pé e tornozelo só sugerem cirurgia para pessoas que ainda têm dor depois de tentar todos os tratamentos por 6 a 12 meses.

Quanto tempo levará para que a dor desapareça?

A fascite plantar ocorre mais frequentemente devido a lesões que se agravam ao longo do tempo. Com o descanso e o tratamento correto você já sentirá as melhoras dentro de poucas semanas. Mas pode levar algumas semanas ou meses para que a dor desapareça completamente.

Mantenha o seu tratamento. Se você não fizer nada a dor poderá se tornar constante ao andar ou ficar de pé. Quanto mais cedo você começar o tratamento, mais cedo seus pés pararão de doer.

Cirurgia para Fascite Plantar

Normalmente, a cirurgia não é necessária para a fascite plantar. Cerca de 95 em cada 100 pacientes com fascite plantar são capazes de aliviar a dor na base do calcanhar sem cirurgia. Seu ortopedista especialista em pé e tornozelo pode considerar a cirurgia se o tratamento fisioterápico não ajudar e a dor na sola do pé está restringindo suas atividades diárias. O padrão de tratamento indica que você deve tentar tratamento não-cirúrgico durante pelo menos 6 meses antes de considerar uma cirurgia.

Os principais tipos de cirurgia para a fascite plantar são:

Liberação da fáscia plantar: Este procedimento retira parte do ligamento da fáscia plantar para liberar a tensão no ligamento e aliviar a inflamação.

Outros procedimentos, como a remoção de esporão ósseo do calcanhar ou afrouxamento de nervos específicos do pé  são geralmente feitas em combinação com a liberação plantar fáscia quando há dor no calcanhar duradoura e outros problemas na região.

Especialistas no passado pensavam que esporões ósseos de calcanhar causavam fascite plantar. Agora os especialistas acreditam que os esporões ósseos são um resultado e não a causa, da fascite plantar. Muitas pessoas com esporões ósseos grandes no calcanhar não têm qualquer indício de fascite plantar. Assim, a cirurgia para remover esporões do calcanhar raramente é feita.

Agendar consulta >

TEM ALGUMA DÚVIDA? Então deixe uma pergunta nos comentários abaixo, que será respondida.

Compartilhe a informação
Tornozelo e Pé - Brasília
Tornozelo e Pé - Brasília

Dr. Márcio R. B. Silveira, criou a Clínica Salus Ortopedia, Fisioterapia e Acupuntura em Brasília / DF, para atuar principalmente no tratamento de lesões de cartilagem, buscando sua reparação e transplante; rupturas ligamentares articulares e sua reconstrução biológica e prevenção; tratamento da artrose, com medidas medicamentosas e artroplastias; tendinites e rompimento de tendões provocadas tanto por atividades esportivas, como por alterações degenerativas; fraturas em idosos que apresentam ossos mais frágeis; e enfoque na reabilitação muscular e postural, através de protocolo exclusivo baseado na análise cinemática da marcha.

No Comments

Escreva uma Mensagem ou Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *