Lesões nos tendões glúteos

, Lesões nos tendões glúteos, Ortopedista Especialista em Quadril de Brasília - DF

Os músculos glúteos são os mais exigidos durante a marcha (caminhar) e corridas, sendo responsáveis por manter o equilíbrio da bacia e tronco. O músculo glúteo máximo também tem papel importante na extensão do quadril.  Os músculos glúteos médio e mínimo são conhecidos como abdutores do quadril, desde que abduzem (“abrem o quadril”) quando ativados sem apoio da perna.

Apesar da importância destes músculos no caminhar e nas atividades físicas, eles são com frequência “esquecidos” nas atividades de reforço muscular. Mesmo atletas profissionais com frequência apresentam fraqueza dos músculos glúteos e não realizam exercícios de reforço. A deficiência funcional destes músculos altera as forças no quadril e sobrecarrega a articulação do quadril e articulações adjacentes.

Tendinites e rupturas geralmente afetam os tendões dos músculos glúteo médio e mínimo. Assim como nas rupturas do manguito rotador do ombro, as lesões variam em extensão e podem levar a substituição do tecido muscular por gorduroso em casos de ruptura crônica. A maioria das rupturas dos tendões glúteos é crônica e provavelmente relacionada a degeneração tendínea. Alguns casos apresentam um mecanismo de trauma agudo, como em movimentos abruptos e acidentes.

Sintomas

As lesões dos tendões glúteos causam dor lateral no quadril e fraqueza na força de abdução. Pressão direta sobre os tendões na lateral do quadril geralmente intensifica a dor. Apesar da apresentação clínica similar a bursite trocantérica, os sintomas são geralmente mais intensos e de maior duração em casos de ruptura dos tendões glúteos. Entretanto, bursite trocantérica é com frequência associada a lesões dos tendões abdutores.

O tamanho da ruptura tendínea não tem relação direta com a intensidade dos sintomas. Assim como nos tendões do ombro, rupturas pequenas são muitas vezes mais dolorosas do que rupturas extensas.

Dor lateral no quadril não é exclusividade das lesões tendíneas e bursite trocantérica, podendo ser consequência de problemas intra-articulares, ressalto externo do quadril, metástases tumorais e outras doenças. Portanto, abordagem diagnóstica deve incluir todas as camadas do quadril.

Exames

O exame clínico é a base para o diagnóstico das rupturas dos tendões abdutores. Radiografias são solicitadas para excluir-se algumas doenças. Ultrassonografia, tomografia computadorizada e ressonância magnética podem ser indicadas para confirmar o diagnóstico, descartar outras doenças e guiar o tratamento. Os exames também podem mostrar hipertrofia dos músculos vizinhos para compensar a função dos glúteos. A infiltração com anestésico da região trocantérica e inserção dos tendões também é útil em alguns casos.

Tratamento

O tratamento não cirúrgico das lesões dos tendões abdutores é bem sucedido na maioria dos pacientes, incluindo o uso de medicações, fisioterapia e infiltrações. Medidas conservadoras usadas para tratamento da bursite trocantérica  são também úteis para as lesões tendíneas. O tratamento cirúrgico é indicado na minoria dos pacientes com sintomas refratários ao tratamento conservador e redução da função. A cirurgia envolve a retirada da bursa trocantérica e o reparo dos tendões lesados com a inserção de âncoras. Em alguns casos de rupturas extensas pode ser impraticável o reparo dos tendões, sendo necessária a utilização de técnicas com transferências musculares.

TEM ALGUMA DÚVIDA? Então deixe uma pergunta nos comentários abaixo, que será respondida.

Quadril-Brasília
Quadril-Brasília

A Clínica Salus e Consolidação Ortopedia, Fisioterapia e Acupuntura em Brasília / DF atua principalmente no tratamento de lesões de cartilagem, buscando sua reparação e transplante; rupturas ligamentares articulares e sua reconstrução biológica e prevenção; tratamento da artrose, com medidas medicamentosas e artroplastias; tendinites e rompimento de tendões provocadas tanto por atividades esportivas, como por alterações degenerativas; fraturas e luxações em crianças e adultos, fraturas em idosos que apresentam ossos mais frágeis; e enfoque na reabilitação muscular e postural, através de protocolo exclusivo baseado na análise cinemática da marcha.

No Comments

Escreva uma Mensagem ou Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *