sinal de geiser

Sinal de Geiser e cisto acrômio-clavicular

O “sinal do Gêiser” é um sinal radiológico raramente encontrado que foi descrito pela primeira vez por Craig et al. em 1984 na sequência de uma artrografia ombro em um paciente com cisto acrômio-clavicular e rotura do manguito rotador.

O sinal do qual deriva seu nome é devido a aparência de um geiser.

geiser sinal

INTRODUÇÃO

  • Cistos na articulação acrômio-clavicular são apresentações extremamente raras de patologia do ombro e pode se desenvolver tanto no tecido subcutâneo superficial quanto limitada à articulação acrômio-clavicular ou resultar de alterações degenerativas em curso relacionadas com a articulação glenoumeral.

IMPORTÂNCIA

  • Dependendo da etiologia da formação dos cistos, isso pode prejudicar a estética dos pacientes, bem como a atividade da vida diária.
  • A massa é geralmente firme, mas compressível, imóvel e insensível ao toque.
    • O tamanho do cisto varia e não está relacionado com o tamanho da rotura do tendão supraespinhal.
    • O crescimento do cisto é tipicamente insidioso e progressivo, que pode, ocasionalmente, regredir em tamanho.

ETIOLOGIA

  • Existem duas etiologias distintas para o cisto que recobre a articulação acrômio-clavicular.
    • Quando o manguito rotador está intacto, um cisto da articulação acrômio-clavicular pode se formar superficialmente e ser limitado apenas à articulação. Este tipo de cisto, tipo 1, não tem comunicação líquida com a articulação glenoumeral.
    • A patogênese do tipo 1 é dependente de alterações degenerativas da articulação acrômio-clavicular devido a trauma (incluindo luxação), infecção, doença metabólica ou uso repetitivo excessivo.
  • Diferentemente, após uma lesão maciça do manguito rotador, outra condição pode ocorrer.
    • Uma rotura completa do manguito rotador pode levar a artropatia do manguito rotador, uma doença com características morfológicas claramente discerníveis incluindo o aumento da produção de intra-articular de fluido sinovial e o deslocamento para cima da cabeça do úmero, que por sua vez pode corroer a articulação acrômio-clavicular e permitir a formação de um gêiser de líquido com fluxo da articulação glenoumeral para a articulação acrômio-clavicular.
    • Este tipo de cisto, Tipo 2, é dependente de uma completa rotura do manguito rotador acompanhada por alterações degenerativas posteriores tanto da articulação glenoumeral quanto da acrômio-clavicular.

EXAMES DE IMAGEM

  • A ultrassonografia é mais acessível, mas é operador dependente.
  • O advento da RM modernizou este sinal radiológico, com a sequência ponderada em T2 demonstrando alto sinal do extravasamento do líquido sinovial, sem a necessidade do contraste.
  • A ultrassonografia tem uma melhor capacidade de distinguir ruptura parcial do manguito rotador, quando comparado com a RM, mas a RM é essencial quando o manguito rotador não é facilmente visualizado ou para excluir qualquer doença maligna.

TRATAMENTO

  • Existem apenas 2 casos de remissão espontânea do cisto.
  • Ao diferenciar cistos da articulação acrômio-clavicular em categorias distintas, as opções de tratamento podem ser dirigidas para a patologia subjacente de forma apropriada.
    • O tratamento para o cisto tipo 1 pode incluir ressecção da clavícula distal e bursectomia subacromial.
    • O tratamento para o cisto tipo 2 continua a ser um tema de controvérsia.
      • As opções de tratamento para a artropatia do manguito rotador incluem ressecção da clavícula distal, irrigação artroscópica e debridamento, artrodese acrômio-clavicular, artroplastia total do ombro, hemiartroplastia, e artroplastia total reversa do ombro.
    • A aspiração e excisão do cisto simples normalmente não funcionam devido a falha para corrigir a patologia do manguito rotador subjacente

Saiba mais:

Inscrever-se
Avisar sobre
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Traumatologia e Ortopedia
0
Deixe um comentário ou dúvida sobre o assunto aqui. Não precisa de conta, todos podem escrever.x
()
x

New Report

Close