Ruptura do músculo reto femoral

O quadríceps é uma das maiores musculaturas do corpo, localizado na parte da frente da coxa. É formado por quatro músculos: vasto medial, vasto lateral, vasto intermédio e reto femoral. Estes músculos têm uma inserção em comum na patela, através do tendão patelar, e todos iniciam-se abaixo do quadril, exceto um deles: o reto femoral. O reto femoral tem origem na pelve, de forma que cruza duas articulações: o quadril e o joelho.

Como ocorrem as lesões no reto femoral?

A lesão envolve, na absoluta maioria dos casos, o músculo reto femoral. Isso acontece pelo fato de ele ser o único dos quatro músculos do quadríceps que é biarticular, ou seja, que além de cruzar o joelho cruza também a articulação do quadril.Os principais mecanismos de lesão são:

  • Hiperflexão: quando o atleta realiza a aterrizagem mal-executada de um salto, quando se cai com o joelho mais dobrado do que o habitual;
  • desaceleração brusca em uma corrida.

Atletas envolvidos com esportes de saltos, como a ginástica, o skate, o vôlei ou mesmo o futebol estão especialmente vulneráveis a estas lesões, principalmente aqueles com idade acima dos 40 anos.

O que o paciente sente após uma lesão do reto femoral?

A maior parte das lesões no quadríceps envolve o músculo reto femoral, com os demais músculos permanecendo íntegros. Assim, pode até ser observado um GAP (“buraco”) na musculatura, mas a função costuma permanecer relativamente bem preservada. Como o reto femoral é uma musculatura biarticular, tanto a extensão do quadril como a flexão do joelho podem desencadear a dor. Em pacientes com lesão antiga, o defeito na musculatura pode até continuar visível, mas, como regra geral, a função é boa até mesmo para o esporte de alto rendimento.

Tratamento da lesão do quadríceps

A maioria das lesões do quadríceps responde bem ao tratamento não cirúrgico, mesmo no caso de lesões completas (grau III) e em atletas profissionais. Fraturas por avulsão óssea é uma possível exceção a isso.

O tratamento é dividido em três fases:

Fase 1 (destruição)

É a fase inicial do tratamento da lesão, que idealmente deve se iniciar ainda dentro de campo. Esta fase se caracteriza pela formação de um hematoma a partir do sangramento no local da lesão. O tratamento deve envolver o uso de faixas compressivas, gelo e, eventualmente, muletas.

O gelo deve ser iniciado tão cedo quanto possível e aplicado por 20 a 30 minutos de cada vez, podendo ser repetido a cada duas horas. Menos que 20 minutos não levará ao resfriamento necessário; mais do que 30 minutos pode levar a um sofrimento da pele ou a um efeito rebote, inclusive com piora da dor. Além disso, o gelo não deve ser aplicado diretamente sobre a pele, mas sim protegido por um pano ou saco.

O uso de medicações anti-inflamatórias deve ser feito de forma criteriosa e por pouco tempo. A inflamação faz parte do processo de recuperação e cicatrização da lesão muscular e, até certo ponto, é desejável após uma lesão. Sem inflamação, o músculo não cicatriza adequadamente. A inflamação excessiva, por outro lado, leva a um aumento dos radicais livres e pode levar a um dano muscular secundário.

Assim, nas lesões mais significativas, os anti-inflamatórios, quando indicados, devem ser usados por curto período (dois a três dias) devendo ser descontinuado após este tempo. Nas lesões mais leves, o gelo pode ser suficiente, sem a necessidade de medicações anti-inflamatórias.

Fase 2 (reparo)

Nesta fase, o hematoma vai gradativamente sendo substituído por um tecido cicatricial/ de reparo. Recursos como o ultrassom e o laser ajudam a potencializar a reabsorção do hematoma, a reduzir a magnitude da inflamação e a reduzir o espasmo muscular. Exercícios de alongamento buscando recuperar a mobilidade normal das articulações são introduzidos de acordo com a tolerância de dor do paciente. Exercícios para fortalecimento são incluídos conforme tolerado.

Fase 3 (remodelação)

Nesta fase, o tecido de reparo vai se remodelando para assumir características mais próximas do tecido original, ainda que este reparo nunca recupere, de fato, o aspecto de uma musculatura normal. Exercícios de fortalecimento e o gesto esportivo são gradualmente introduzidos para que, ao final desta fase, o atleta esteja em condições de reassumir sua prática esportiva habitual.

Quando indicar o tratamento cirúrgico nas lesões do músculo reto femoral da coxa nos atletas?

As rupturas proximais do reto femoral são lesões relativamente raras entre os atletas de alto rendimento. 

No geral, parece que a maioria das lesões na área de inserção proximal são principalmente adequadas para tratamento conservador e o resultado é bom mesmo em avulsões completas com alguma retração. No entanto, às vezes a cicatrização não progride como esperado e o retorno ao esporte é prolongado. Isso pode ocorrer em lesões completas e parciais.

O tratamento cirúrgico da ruptura completa proximal do reto femoral apresenta um bom prognóstico em jogadores de futebol profissional. Após a fixação de âncora de sutura na ruptura proximal do reto femoral ou a ressecção do tendão proximal, os atletas parecem retornar ao mesmo nível de competição com alta probabilidade.

As rupturas do músculo reto-femoral no corpo muscular são pouco exploradas na literatura. Poucos relatos de casos de ruptura do músculo no seu terço médico foram publicados anteriormente. Essas rupturas de substâncias intermediárias mais graves podem causar perda funcional significativa na flexão do quadril e na força de extensão do joelho, má coordenação, bem como dor e pode requerer intervenção cirúrgica para a cicatrização adequada.

O tratamento cirúrgico para a ruptura completa do reto femoral no seu terço médio costuma ser benéfico para atletas competitivos. Geralmente, esses atletas conseguiram retornar ao nível anterior de esportes após uma média de 5 meses da cirurgia.

Assim como nas lesões isquiotibiais, as lesões do reto femoral envolvendo o tendão central parecem ter tendência a se tornarem lesões crônicas. Se o tendão central estiver totalmente rompido, o tratamento cirúrgico pode ser a melhor opção em atletas de alto nível, especialmente em lesões recorrentes.

Retorno esportivo

O retorno esportivo será consequência de todo um processo de reabilitação, conforme descrito acima. Assim, depende mais da evolução individual do que de um tempo cronológico específico. Como referência, porém, podemos considerar os seguintes tempos:

  • Lesão Grau I: 1 a 2 semanas;
  • Lesão Grau II: 4 a 6 semanas;
  • Lesão Grau III: 2 a 3 meses.

Como utilizar a compressa morna e fria >

Referências:

Tratamento cirúrgico da lesão do reto femoral em jogadores de futebol: um relato de dois casos

TEM ALGUMA DÚVIDA? Então deixe uma pergunta nos comentários abaixo, que será respondida.

Esportiva-Brasília
Esportiva-Brasília

Dr. Márcio R. B. Silveira, criou a Clínica Salus Ortopedia e Fisioterapia em Brasília-DF, para atuar principalmente no tratamento de lesões de cartilagem, buscando sua reparação e transplante; lesões de menisco com sutura em crianças e reparo; rupturas ligamentares articulares e sua reconstrução biológica e prevenção; tratamento da artrose, com medidas medicamentosas e artroplastias; tendinites e rompimento de tendões provocadas tanto por atividades esportivas, como por alterações degenerativas; fraturas em idosos que apresentam ossos mais frágeis; e enfoque na reabilitação muscular e postural, através de protocolo exclusivo baseado na análise cinemática da marcha.