Ciências Básicas

Coluna

Infantil

Joelho

Mão

Ombro

Tornozelo e Pé

Quadril

Tumores

Discussões Básicas

Questão Básicas 001

Discussão:
A inervação dos músculos da região do ombro é por duplas.
Nervo supraespinhal: M. supra e infraespinhal.
Nervo axilar: M. Redondo menor e Deltoide
Nervo subescapular (superior e inferior): subescapular e redondo maior
Nervo Peitoral medial e lateral: Peitoral Maior e Menor
Nervo toracodorsal: M. Latíssimo do Dorso
Nervo acessório: M. Trapézio

Questão Básicas 002

Discussão:
“O espaço quadrangular tem uma axila circunflexa” – O espaço quadrangular é composto pela cabeça longa e lateral do tríceps, redondos maior e menor. Por ele passam a artéria circunflexa posterior do úmero e o nervo axilar.
“A escápula é triangular no espaço” – O espaço triangular é composto pelo redondo menor, redondo maior e cabeça longa do tríceps. Por ele passa a artéria circunflexa da escápula.
No intervalo triangular, por fim, que é composto pelas cabeças longa e lateral do tríceps e pelo redondo maior, passam o nervo radial e artéria braquial.

Questão Básicas 003

Discussão:

Questão Básicas 004

Discussão:
No teste da gaveta, com o paciente em pé e o examinador posicionado ao lado do paciente, com uma mão se estabiliza a escápula, e com a outra se prende a cabeça do úmero,
promovendo uma translação anterior e posterior, que está aumentada em relação ao ombro contralateral, nos casos de frouxidão ligamentar.
No teste da apreensão, com o paciente em pé e o examinador ao seu lado ou atrás, promove-se passivamente uma abdução de 90 graus, com rotação externa progressiva. O teste é positivo se o paciente referir apreensão de luxar o ombro. Pode ser sensibilizado com o apoio do polegar do examinador posteriormente na cabeça umeral, promovendo uma translação anterior. Geralmente é avaliado também em 0 e 45 graus, sendo tão mais grave a instabilidade, quanto menor o grau de abdução em que é positiva.
O teste da recolocação é realizado com o paciente em decúbito dorsal horizontal, com o examinador ao seu lado. É realizada a mesma manobra de 90 graus de abdução e rotação externa progressiva, porém a outra mão do examinador é colocada sobre a face anterior da cabeça do úmero, para promover sua recolocação em caso de subluxação, causando alívio ao paciente e tornando o teste positivo.
Por fim, o teste de Fukuda é realizado na mesma posição do Bear Hug (flexão 90 graus, leve flexão horizontal), com o examinador ao lado do paciente. Deve ser realizada pressão antero-posterior no cotovelo do lado examinado, avaliando-se, assim, instabilidade posterior.
Outros testes para instabilidade incluem o teste do sulco: com o paciente em pé e o examinador ao seu lado, o braço junto ao corpo e o cotovelo fletido, promove-se uma tração axial pelo cotovelo e se avalia o degrau articular formado pela cabeça do úmero deslocando-se, em caso de frouxidão ligamentar.

Questão Básicas 005

Discussão:
Ligamento glenoumeral superior: restritor para luxação inferior e estresse anteroposterior em 0 de abdução.
Ligamento glenoumeral médio: retritor para rotação externa com menos de 90 graus de abdução.
Ligamento glenoumeral inferior: banda anterior tensa em rotação externa, e posterior tensa em rotação interna. Principal estabilizador para estresse anteroposterior em abdução >45.

Questão Básicas 006

Discussão:
O teste de cozen é utilizado para epicondilite lateral e deve ser realizado com o cotovelo em flexão de 90 graus e o antebraço pronado, realizando-se uma extensão do punho contra resistência. Positivo quando houver dor no epicôndilo lateral.
O teste de Mills é uma variante em que o cotovelo está estendido, e o antebraço, supinado.
O teste para epicondilite medial é semelhante ao Mills, porém se deve realizar flexão do punho contra resistência.

Questão Básicas 007

Discussão:
Artroscopia de Ombro
Contraindicações: infecções de pele, infecções sistêmicas, alto risco anestésico.
Posições: lateral – inclinar o paciente 20 a 30 graus para posterior para deixar a escápula paralela ao chão.
Cadeira de praia: menor risco de neuropraxia; orientação mais anatômica; boa manipulação do espaço subacromial e fácil de converter em via aberta se necessário. Desvantagem: maior risco de morte por hipofluxo cerebral associado a hipotensão e dificuldade em utilizar o portal posterior.
Portais:
Estruturas em risco: Nervo axilar e nervo supraescapular.
Portal mais próximo de alguma estrutura: anteroinferior – 1cm da veia cefálica.
Nervo axilar pode ser lesado nos portais anterior, posterior e lateral.
Os portais posteriores passam a 2cm da artéria circunflexa da escápula e do nervo supraescapular.
Para acessar articulação glenoumeral: portais anteriores, posteriores e superiores.
Subacromial: anteriores posteriores, laterais.
Acromioclavicular: portais anteriores e posteriores (espaço subacromial).
Portal posterior: normalmente o primeiro a ser estabelecido, auxilia na realização dos outros portais.
Portal anterior: cápsula posterior, manguito, ligamentos glenoumerais, tendão do subescapular.
Portal de Wilmington: reparo de SLAP II posterior.
Epônimos idiotas:
Anteriores: 5 horas (Davidson); inferior (Wolf); central (Mathews); superior (Wolf); Superolateral (Laurencin); Anterolateral (Ellman).
Posteriores: soft point (1,5 cm inferior e 2 cm medial ao canto posterolateral do acrômio); central (Wolf); posterolateral (Ellmann); 7 horas (Davidson).
Laterais: Wilmington (1 cm anterior e 1cm lateral ao canto posterolateral do acrômio); através do manguito (O’Brien).
Superior: Neviaser; portal do nervo supraescapular (Lafosse – 7cm medial à borda lateral do acrômio, aproximadamente 2cm medial ao pertal de Neviaser. Acesso ao nó supraescapular.
Resposta: a) Portal posterior é o primeiro a ser realizado. C) Neviaser – portal para tratamento do SLAP. D) portal lateral: risco de lesão ao nervo axilar.

Questão Básicas 008

Discussão:
A incidência axilar pode ser utilizada para avaliar fraturas do coracoide, acrômio, os acromiale.
O AP verdadeiro é útil para avaliar espaço glenoumeral.
O AP com rotação interna, para avaliar região posterior da cabeça umeral – lesão de Hill Sachs.
AP com rotação externa, para visualização da tuberosidade maior.
Saída do Supra (Y escapular): alterações do acrômio, especialmente no plano sagital.
West point: margem anteroinferior da glenoide – útil para lesão de Bankart.
Oblíqua apical: útil para avaliar o coracoide.
Stryker notch: avaliação de lesão de Hill Sachs.
Outras para Hill Sachs: Didiée, Hermodsson, AP com rotação interna de 60 graus.
Fonte: Fallopa

Questão Básicas 009

Discussão:
A lesão em barba de bode é um osteófito inferior da cabeça umeral, que é formado progressivamente com o desenvolvimento da osteoartrose do ombro. Segundo Campbell, é patognomônica de degeneração avançada, mas não especifica se primária ou secundária.

Questão Básicas 010

Discussão:
Artroplastia do ombro
Offset: distância entre a base lateral do processo coracoide e a margem lateral do tubérculo maior. Se pequeno, reduz o braço de alavanca e leva a fraqueza do deltoide e supra espinhal. Se grande, tensão excessiva das partes moles e limita movimentos. Recomenda-se variação de 4mm em relação ao normal.
Classificação de Cruess para Osteonecrose da cabeça umeral:
Estágio I: alterações não visíveis em RX, nem em macroscopia
Estágio II: esclerose com remodelação óssea; mantém a esfericidade
Estágio III: perda da esfericidade, por colapso ou fratura de osso subcondral
Estágio IV: área da superfície articular colapsada
Estágio V: OA na glenoide.
I, II e III: pouca progressão da doença
IV: componente umeral
V: total.
Artropatia do manguito:
Mais bem tratados com hemiartroplastia; prótese reversa contraindicada na ausência de deltoide e lesão neurológica.
Geral:
Warner indica hemiartroplastia quando: <50 anos com OA e glenoide côncava concêntrica; pacientes com ruptura maciça do MR; perda óssea que impede a estabilidade na inserção de um componente da glenoide.
Matsen 5 situações em que prefere hemiartroplastia: superfície articular irregular, porém com glenoide intacta com arco suficiente para receber a cabeça umeral; osso insuficiente para componente glenoidal; desvio fixo da cabeça umeral; história de infecção articular antiga; exigência será importa à articulação.
Incisão do Subescapular na técnica de APO:
Para ganhar comprimento máximo, o sub é desinserido medialmente ao sulco bicipital, fora do tubérculo menor. Depois de colocação da prótese e tecidos moles liberados e balanceados, reparado do tubérculo menor em posição medial.

Questão Básicas 011

Discussão:
LGUS: estabiliza estresse anteroposterior em 0 graus de abdução.
LGUM: restritor de rotação externa em 90 graus de abdução.
LGUI: restritor anteroposterior em mais de 45 graus de abdução, sendo banda anterior tensa em rotação externa, e posterior, em rotação interna.

Questão Básicas 012

Discussão:
A incidência mostrada é a oblíqua apical de Garth. Serve para ver as porções anteroinferior e posterossuperior da glenoide, mas também é possível ver lesões de Hill Sachs, pois a cabeça fica bem definida.
Stryker Notch é a melhor para ver Hill Sachs
West point também permite ver a glenoide.

Questão Básicas 013

Discussão:
A proporção de movimentação é 2:1 da glenoumeral em relação à escapulotorácica.

Questão Básicas 014

Discussão:
O nervo dorsal da escápula é responsável por inervar o músculo levantador da escápula.
O nervo acessório inerva o músculo trapézio.
O nervo torácico longo inerva o serrátil anterior, responsável pela lateralização da escápula, o que leva a seu desvio medial na paralisia do nervo.

Questão Básicas 015

Discussão:
O nervo axilar pode ser lesado em todos os portais tradicionais de artroscopia.

Questão Básicas 016

Discussão:
Contraindicações para a artroscopia de cotovelo:
Anquilose ou rigidez que impeçam inserção do artroscópio;
Procedimentos prévios que tenham alterado anatomia do cotovelo (principalmente transposição do nervo ulnar).
Infecção periarticular.
Portais:
Lateral direto: centro do triângulo formado pelo olecrano, epicôndilo lateral e cabeça do rádio (onde se faz infiltração articular).
Anterolateral distal: 2-3cm distal e 1cm anterior ao epicôndilo lateral; risco de lesão do nervo radial.
Anterolateral médio: articulação radiocapitelar (logo proximal, 1cm anterior).
Anterolateral proximal: epicôndilo lateral, 2cm proximal, 1cm anterior.

Questão Básicas 017

Discussão:
O complexo de Bufford consiste em um LGUM anômalo, que se insere no tendão do bíceps diretamente, sem fazer o trajeto normal cruzando o tendão subescapular e se inserindo no colo da glenoide a 2h. Deixa uma área da glenoide sem labrum superiormente. Não se deve repará-lo pois pode provocar perda de RE. É diagnóstico diferencial na avaliação de RNM de ombro.

Questão Básicas 018

Discussão:
No geral, ATO é a indicação primária na artrose glenoumeral em estágio final. Cointudo, em pacientes jovens trabalhadores, com estoque ósseo insuficiente na glenoide e altos níveis de atividade, APO apresenta melhores resultados.
Para a ATO, é necessário MR intacto. As contraindicações são: lesão do LMR irreparável, infecção ativa ou recente, paralisia do deltoide
Os melhores resultados são obtidos com artroplastia para artrose.
Indicações da artroplastia reversa: manguito não funcional por: LMR, pseudoparalisia por lesão grave do MR sem artrose; múltiplos reparos com função ruim e instabilidade anterossuperior, fraturas 3 e 4 partes do úmero proximal em idosos, naõ união de úmero proximal, naõ união de tuberosidade maior, falha de APO com instabilidade anterossuperior.
É adequada para pacientes com deltoide intacto, suporte ósseo adequado, sem evidências de infecção, sem deficiência neurológica e sem demandas excessivas.
Contraindicações: perda de função do deltoide;; perda óssea excessiva da glenoide.

Questão Básicas 019

Discussão:
A incidência de zanca é realizada com 1/3 da penetração utilizada para o ombro, com feixe inclinado 10-15 graus cefalicamente. É especialmente útil para ver LAC.

Questão Básicas 020

Discussão:
Segundo Campbell, a osteofitose posteroinfeiror da cabeça umeral, ou barba de bode, é patognomônica de artrose avançada glenoumeral.

Questão Básicas 021

Discussão:
A clássica incidência para ver os acromiale é a axilar.

Questão Básicas 022

Discussão:
No intervalo mais proximal, o nervo com maior risco de lesão é o nervo axilar. No intervalo mais distal da via anterolateral, faz-se um intervalo entre nervos no próprio braquial, sendo a parte mais lateral inervada pelo radial, e a mais medial, pelo músculocutâneo.

Questão Básicas 023

Discussão:
As fraturas transversas até podem ser tratadas conservadoramente. Entretanto, tendo em vista que o paciente não apresenta tônus muscular, há um risco ainda maior de evoluir mal.
Desta forma, o melhor tratamento é com fixação interna, se as condições de partes moles o permitirem.

Questão Básicas 024

Discussão:
O teste de O’Brien serve para diferenciar artrose acromioclavicular (ou alguma afecção acromioclavicular) de SLAP; com o paciente em ortostatismo, posiciona-se o ombro em flexão de 90 graus, flexão horizontal (adução) de 10 graus e pronação total. É realizada flexão do ombro contra resistência, que deve provocar dor. Em seguida, em supinação (rotação externa) total, realiza-se nova flexão. Na patologia acromioclavicular, haverá dor; no SLAP, não.

Questão Básicas 025

Discussão:
Gerber: com a mão nas costas, deve-se afastá-la da coluna. Avalia capacidade de rotação interna do ombro – subescapular
Abdominal press (napoleão): apoia-se a palma no abdome, com o cotovelo fletido em 90 graus. No bom funcionamento do subescapular, ao realizar a compressão, roda-se o ombro, promovendo-a sem deslocar o cotovelo. Entretanto, na sua fraqueza, realiza-se compensação com o latíssimo, tracionando o cotovelo para trás.
Teste da cancela: com o cotovelo em 90 graus, realiza-se rotação externa passiva do ombro e o paciente deve mantê-la ativamente. Avalia os rotadores externos (sub e rm).
Speed ou Palm up test: com o cotovelo estendido e em supinação total, o paciente deve realizar elevação do ombro no plano da escápula; dor no sulco intertubercular indica tendinite da CLB.

Questão Básicas 026

Discussão:
O primeiro portal é o posterior (1,5cm inferior e 2cm medial ao canto posterolateral do acrômio).

Questão Básicas 027

Discussão:
A questão não está exata (estou fazendo de memória), mas era mal explicada deste jeito mesmo. Você tinha que supor que estivessem falando pós uma ATO.
Uma RE passiva que não passe do neutro deve ser liberada superiostealmente e reinserida medial.

Questão Básicas 028

Discussão:
Zanca é a melhor incidência para ver a articulação acromioclavicular; hill sachs é mais bem vista na stryker notch. Oblíqua apical e west point servem para ver a glenoide.

Questão Básicas 029

Discussão:
A osteoporose é de grande importância, sendo a fratura do úmero proximal de pico unimodal, principalmente em idosos, com trauma de baixa energia.

Questão Básicas 030

Discussão:
A compressão da cabeça umeral é dada pelo manguito rotador.

Questão Básicas 031

Discussão:
ATO depende da integridade do manguito; se não for funcional, mas tiver um deltoide funcional, realiza-se uma prótese reversa.
A erosão da borda posterior provoca uma retroversão no componente glenoidal, que pode ser compensada com uma anteversão do componente umeral, de forma que a soma de ambos fique entre 30 e 40 graus. Se a perda for maior do que 5mm, recomenda-se enxertia e fixação com parafusos da parte lesada. Entre 3 e 5, pode-se aceitar a retroversão, realizando-se desgaste da borda mais elevada para colocar o componente.

Questão Básicas 032

Discussão:
O teste de jobe (elevação contra resistência no plano da escápula com ombro em rotação interna máxima) é para o supraespinhal.
O teste de Patte (rotação externa contra resistência com ombro abduzido a 90 e cotovelo a 90) é para infra e redondo menor.
O teste de gerber (rotação interna sem resistência em nível de L5, a partir da coluna) é para avaliação do subescapular.
O teste de Speed, ou Palm Up (flexão do ombro contra resistência em rotação externa máxima com cotovelo estendido, enquanto se palpa o cabo longo do bíceps) é para avaliação da cabeça longa do bíceps.

Questão Básicas 033

Discussão:
Os melhores resultados da ATO são para OA primária.
OA primária é mais comum em pacientes com mais de 65 anos. Secundária é causada principalmente por AR e é a principal causa de OA do ombro em pacientes mais jovens.
A presença de artrose na glenoide indica a técnica a ser utilizada:
Sem comprometimento da glenoide: APO
Concêntrica e Jovem: APO
Concêntrica e idoso: ATO
Excêntrica: sempre ATO, exceto se LMR.
LMR: <60 anos: APO
>60 anos: Reversa
Nunca usar ATO na LMR.

Questão Básicas 034

Discussão:
O LGUS é o principal restritor da subluxação inferior e translação anteroposterior a 0 graus de abdução.
O LGUM é o principal restritor para rotação externa com menos de 90 graus de abdução.
O LGUI tem duas bandas: a anterior restringe durante rotação externa, e a posterior, durante rotação interna. É o principal restritor para translação anteroposterior acima de 45 graus de abdução.

Questão Básicas 035

Discussão:
Lembrar o meu mnemônico ridículo:
Os espaços são circunflexos (ou seja: o quadrangular e o triangular têm artérias circunflexas); e o quadrangular tem uma axila circunflexa (por ele, passam, portanto, nervo axilar e a artéria circunflexa posterior do úmero). No espaço triangular, sendo assim, passa a circunflexa da escápula.

Questão Básicas 036

Discussão:
A supinação é mais forte que a pronação. Lembre-se: existem o pronador quadrado e o pronador redondo; e, para supinação, o supinador e o bíceps braquial.

Questão Básicas 037

Discussão:
A prótese reversa é indicada na lesão do manguito rotador, podendo ser usada independentemente da artrose, porém é totalmente contraindicada na ausência do deltoide, pois depende dele para funcionar.

Questão Básicas 038

Discussão:
A maior estabilidade para translação anterior se dá pela cápsula posterior e ligamentos esternoclaviculares.
Para a estabilidade posterior, é somente a cápsula posterior.
Os fatores que promovem a estabilidade na articulação esternoclavicular são: esternocleidomasteoideo, peitoral maior, esternoioide. Ligamentos esternoclaviculares anterior e posterior que reforçam a cápsula articular, assim como o interclavicular (conecta ambas as extremidades mediais das clavículas) e costoclavicular (entre o aspecto inferior da clavícula e a cartilagem costal superior da costela adjacente). Por fim, há um disco intra-articular aderido à parte superoposterior da superfície articular da clavícula e junção costocartilaginosa inferior da primeira costela.

Questão Básicas 039

Discussão:
O Ligamento colateral medial é composto pela parte anterior, posterior e transversa. A faixa anterior é a mais facilmente identificável e é a maior porção do ligamento colateral medial.
Insere-se no aspecto medial do processo coronoide (tubérculo sublime). Tenso em flexão e extensão; o posterior só é tenso durante flexão.

Questão Básicas 040

Discussão:
Lembrar:
LCL – crista do supinador
LCM – tubérculo sublime
O LCL é composto por três partes: ligamento colateral radial, ligamento abular, ligamento colateral lateral ulnar. Estabilizador primário de varo e rotação posterolateral. A cabeça do rádio é circundada pelo ligamento anular, que prende às margens anterior e posterior do nó radial da ulna proximal.
O radial sai do epicôndilo lateral e se funde ao ligamento anular.
O ulnar é posterior ao radial e se prende na crista do supinador na ulna proximal, pouco distal ao ligamento anular.
O LCM é composto de feixes anterior e posterior. O anterior é o estabilizador chave de valgo do cotovelo, vindo do aspecto anteroinferior do epicôndilo medial para se inserir no tubérculo sublime da ulna proximal.
O feixe posterior promove uma restrição secundária da carga em valgo e também resiste a rotação ulnar.
Restritores dinâmicos também incluem bíceps, braquial e tríceps. Os extensores comuns também promovem estabilidade em valgo; pronação vai estabilizar um cotovelo deficiente de LCL, enquanto supinação diminui estabilidade nestes casos.

Questão Básicas 041

Discussão:
O osso omovertebral conecta o ângulo superior medial da escápula e a coluna cervical. Associado principalmente à doença de Sprengel.

Questão Básicas 042

Discussão:
O instante do centro de flexão e extensão do cotovelo está no centro de círculos concêntricos formados pela projeção lateral do capítulo e tróclea do úmero distal, tem 2-3mm de diâmetro e é localizado no centro da tróclea quando visto lateralmente.

Questão Básicas 043

Discussão:
O LGUI consiste em três componentes diferentes: a banda superior, a bolsa axilar anterior, e a bolsa axilar posterior.
O ligamento se origina do aspecto anteroinferior do labrum e se estende ao aspecto inferior da tuberosidade menor. O Complexo do LGUI é comparado a uma rede que cerca e apoia a cabeça umeral quando o ombro é abduzido. Sendo assim, é considerado o estabilizador primário contra a translação anteroposterior da cabeça, assim com restritor para rotação externa excessiva do ombro abduzido.

Questão Básicas 044

Discussão:
A glenoide fica centra no Y (formado pelo acrômio anteriormente e espinha da escapula posteriormente). Desta forma, a cabeça deve ficar centrada também.
Entretanto, vale lembrar que a cabeça do úmero tem uma retroversão média de 25 a 35 graus (-10 a 60), de forma que, geralmente, a diáfise ficará anterior à cabeça.

Questão Básicas 045

Discussão:
O nervo musculocutâneo se origina da corda lateral e penetra o tendão conjunto do bíceps e coracobraquial a uma distância média de 5cm da ponta do coracoide.

Questão Básicas 046

Discussão:
Força máxima de flexão do cotovelo ocorre em 90 graus de flexão, enquanto 1/3 a ½ podem ser geradas com o cotovelo estendido ou em 30 graus de flexão.

Questão Básicas 047

Discussão:
Com o cotovelo em extensão, a estabilidade em valgo do cotovelo é igualmente dividida entre LCM, cápsula e superfície articular. Com a flexão de 90 graus, o LCM é responsável por 55% da estabilidade em valgo, sendo a banda anterior o principal componente.
O LCL contribui para apenas 14% da estabilidade em varo com o cotovelo em extensão e 9% em flexão de 90 graus. Restante garantido pela cápsula anterior e superficie articular.

Questão Básicas 048

Discussão:
Portal lateral: no meio do manguito rotador, 3cm lateral à margem lateral do acrômio.
Portal posterior: no lábio posterior da lesão, 1cm lateral à margem lateral do acrômio. Proximo a ele passam o nervo supraescapular e a artéria circunflexa da escápula, a aproximadamente 2cm.
Portal anterior: passa a 1cm da veia cefálica.
Deve-se prestar atenção ao nervo axilar em todos os portais.

Questão Básicas 049

Discussão:
Questão de provas antigas/1000 questões!
Stryker-Notch: Hill-Sachs (lembrar: H-H – termina com H (Notch), começa com H (Hill)
West-Point: Bankart (West Boint)
Oblíqua apical: lesões posteriores da cabeça do úmero.
Zanca: articulação acromioclavicular (ZanCA)

Questão Básicas 050

Discussão:
Teste de Adson, para síndrome do desfiladeiro torácico. Apresenta compressão da artéria subclávia caso positivo.

Questão Básicas 051

Discussão:
Composto por:
Glenoide
Processo coracoide
Ligamentos coracoclaviculares
Clavícula lateral
Articulação acrômio clavicular
Divididos em três partes: acromioclavicular; coracoclavicular; junção acrômio-glenoide-coracoide com a escapula.

Questão Básicas 052

Discussão:
O mais sensível é o sinal do arco doloroso, seguido pelo Hawkins Kennedy.
O mais específico é o teste do infraespinhal, seguido pelo Jobe.
Acurácia geral mais elevada é do arco de movimentos doloros.

Questão Básicas 053

Discussão:
A prótese reversa é contraindicada em lesões do deltoide e artropatia neuropática.

 

 

Traumatologia e Ortopedia

New Report

Close