Prova Oral

Prova de Atitudes

Noções: Fratura do acetábulo

Causa principal: acidente automobilístico, mais comum em homens jovens

Diagnóstico: dor, Morel-Lavallé, avaliar neurológico

Radiografias: AP, alar (parede anterior e coluna posterior), obturatriz (parede posterior e coluna anterior), sinal esporão = fx das 2 colunas, sinal gaivota (osteoporose + impacção superomedial), ângulo de Matta (tratamento conservador quando < 45º nas 3 incidências) + TC

Não operar na urgência, exceto deficit neurológico iatrogênico
– fragmento encarcerado e exposta, após 3 semans piores resultados e mais difícil.

Tratamento conservador: < 2mm de desvio, parede posterior menor que 40%, fraturas estáveis a flexão de 100º e adução 10º e congruência secundária.

Tratamento cirúrgico: redução anatômica.
– acesso ilioinguinal quando a fratura da parede e coluna anterior tem maior desvio;
– acesso de Kocher quando fratura da coluna e parede posterior mais grave;
– acesso iliofemoral qunado afundamento do teto acetabular.

Usar placas de reconstrução e parafusos longos percutâneos quando fraturas com pouco desvio (isto evita abordagem combinada, que poderá ser realizada nas fraturas mais graves)

Complicações: lesão do ciático( fibular) no trauma 16-33% ou iatrogênica (fletir o joelho e extender o quadril imprescindível), lesão do nervo femoral no acesso ilioinguinal, ossificação heterotópica (acessos ilioinguinal ampliada ou Kocher), infecção, condrólise

Traumatologia e Ortopedia

New Report

Close