Artrodese de tornozelo

Artrodese é um tipo de cirurgia indicada para tratamento da Osteoartrose (desgaste articular) grave e incapacitante. A cirurgia consiste em realizar uma fusão completa entre dois ou mais osso vizinhos e eliminar o movimento entre eles. Assim, a articulação doente deixa de existir e a dor, causada pelo seu movimento, desaparece. É um recurso bastante utilizado pelos cirurgiões de pé e tornozelo no tratamento do desgaste das pequenas articulações do pé e também do tornozelo.

A artrodese do tornozelo é uma cirurgia utilizada como último recurso de tratamento para as dores incapacitantes decorrentes do desgaste da articulação (Osteoartrose do tornozelo). Ela consiste em realizar a fusão completa entre o tálus (osso do pé) e a tíbia (osso da perna), eliminando assim os movimentos de flexão e extensão do tornozelo.

artrodese

Técnica operatória

Os principais objetivos da artrodese do tornozelo são eliminar a dor incapacitante e estabilizar articulações instáveis ou deformadas, visando estabilizar o pé em posição plantígrada, permitindo, dessa forma, o adequado apoio do membro durante a marcha(6,7,10).

Padrões quase normais da marcha podem ser esperados após a artrodese do tornozelo; entretanto, podem ocorrer limitações. Atividades como andar no plano inclinado ou subir ou descer escadas podem sofrer limitações, pois exigem movimentos compensatórios de outras articulações do pé.

Estudos biomecânicos da marcha, realizados em laboratório, concluíram que a posição mais propícia para artrodesar a articulação do tornozelo é a neutra, em relação à flexão dorsoplantar, de 5º a 10º de rotação externa e 0 a 5º de valgo. Em nossa casuística, na grande maioria dos pacientes que apresentavam graves deformidades pré-operatórias, foi difícil obter o posicionamento desejado da articulação do tornozelo durante a cirurgia, em decorrência do fato de que freqüentemente os parâmetros anatômicos estavam ausentes e não podiam ser utilizados como guia.

Os princípios básicos que norteiam esse procedimento são: bom contato entre os fragmentos ósseos da tíbia distal e do corpo do tálus, alinhamento correto do pé em relação à perna e fixação estável entre os ossos justapostos. A não observação desses princípios relaciona-se, diretamente, com aumento na ocorrência de retarde na consolidação óssea, de pseudartrose ou de consolidação viciosa.

Consequências da perda de movimento

Isso vai depender de alguns fatores. As artrodeses isoladas do tornozelo, ou seja, que não envolvem outras articulações vizinhas, costumam ser bem menos incapacitantes. Isso porque, parte da flexão e extensão é realizada pelo pé, e não somente pelo tornozelo. Assim, podemos dizer que, se as articulações do pé estiverem totalmente preservadas, o paciente ainda permanece com aproximadamente 30% da capacidade de movimentar o pé para cima e para baixo, o que permite um caminhar praticamente normal, dirigir veículos, entre outras atividades. Além disso, vale lembrar que a maioria dos pacientes que são candidatos à artrodese do tornozelo já não possuem movimentos normais, pois a dor e a rigidez articular são consequências da Osteoartrose.

O tempo médio de recuperação após uma artrodese do tornozelo varia de 4 a 6 meses. O paciente permanece imobilizado, em geral por período de 2 meses e a seguir, inicia sua reabilitação fisioterápica e readaptação do equilíbrio e modo de caminhar.

Última modificação porAvatarMarcioR4
Quanto você gostou deste artigo?0010
Inscrever-se
Avisar sobre
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments